Pular para o conteúdo principal

Terceiro dia - Flores da Cunha e Fenachamp

  Dando continuidade ao diário de viagem, na sexta-feira fomos a Flores da Cunha. Como a cidade fica a 60 km de distância de Bento Gonçalves, contratamos um motorista da agência de turismo que fica no saguão do nosso hotel para nos levar até lá. O dia amanheceu nublado mas bem menos chuvoso que os dias anteriores.
  A primeira vinícola que visitamos foi a Viapiana. Fomos muito bem recepcionados e conduzidos por suas instalações. Conhecemos a área de produção, rotulagem e suas caves e depois fomos conduzidos, é claro, para a degustação. Foram cinco rótulos degustados, sendo um espumante, seguido por um vinho branco e três tintos. O que mais me chamou a atenção foi o Viapiana Expressões Marselan 2013, com os seus aromas de frutas negras, couro e carne defumada. É um vinho de bom corpo e acidez, taninos macios e sabores frutados com notas de tostado e couro. Tive que trazer uma garrafa pra casa.





  Seguimos para a vinícola das garrafas lindas, a Luiz Argenta. Tenho verdadeira paixão pelo Shiraz LA Jovem! Além de ser totalmente diferenciado devido ao seu processo de produção através de maceração carbônica, resultando em um vinho leve, com poucos taninos, ideal pra ser servido mais resfriado e perfeito para o nosso clima quente, a garrafa de formato estiloso, lembrando um decantador, é um show à parte. Quando estava fazendo o roteiro de viagem e vi as fotos da vinícola, tive certeza de que iria em um dos dias a Flores da Cunha. Não me decepcionei! A vinícola é linda, com paredes de vidro, rodeada por vinhedos e ainda com um dos melhores restaurantes da região. Programamos almoçar no Clô Restaurante e depois fazermos a visitação. Como chegamos cedo, passei alguns momentos agradáveis na loja admirando as lindas garrafas da linha LA Jovem, aumentando o meu estoque pessoal e diminuindo a minha conta bancária.
  O almoço foi perfeito! Além da ótima comida, acompanhada de um belo vinho LA Clássico Cabernet Sauvignon 2014, com aromas de frutas negras e ligeiro tostado, corpo médio, boa acidez e taninos finos, tínhamos os belos vinhedos da Luiz Argenta a nos fazer companhia através das paredes de vidro do restaurante.





  A visitação na Luiz Argenta é muito interessante mas você deve estar fisicamente preparado. Cada estágio da produção é feita em um andar e, para visitar toda a vinícola, você terá muitos degraus pela frente. Eles iniciam passando um vídeo no último andar, onde já é servida a primeira taça de espumante e, durante todo o percurso, enquanto vamos descendo rumo ao subsolo, a taça vai sendo servida com diferentes rótulos. Ao final, chegamos a uma cave naturalmente fria, escavada na pedra, onde os vinhos descansam ao som de Tom Jobim e outros clássicos da nossa MPB. Vale demais a visita!
  Seguimos para Farroupilha para degustar o famoso Moscatel da Casa Perini que foi considerado o quinto melhor espumante do mundo pela Associação Mundial de Jornalistas e Escritores de Vinhos e Licores (WAWWJ) e, claro, aproveitamos para conhecer outros rótulos da vinícola. Mas o tempo era curto porque, neste dia, tínhamos um compromisso à noite. Então voltamos para o hotel para um descanso rápido e nos preparamos para sair novamente.
  A Fenachamp é a Octoberfest de Garibaldi e acontece a cada dois anos. Durante todo o mês, acontecem shows em um pavilhão e todas as vinícolas de Garibaldi montam os seus estandes onde se pode tomar seus espumantes por um preço bem acessível e acompanhados de petiscos diversos. Escolhemos a sexta-feira porque um dos shows da noite seria a banda Nenhum de Nós. Chegamos por volta das 19 horas e o local já estava lotado! Conseguimos espaço em uma mesa comunitária no estande da vinícola Peterlongo e passamos a noite regados a Peterlongo Presence Brut, um espumante muito leve, com aromas e sabores de frutas vermelhas e acidez refrescante e assistindo aos shows quase de camarote. Fechamos o dia com chave de ouro!




  Chegamos ao hotel quase a uma hora da manhã. A noite seria muito curta pra descansar e o dia seguinte, pra variar, seria cheio. No próximo texto vou falar sobre uma degustação de espumantes harmonizada e um vinhedo com castas originárias de todo o mundo.
  Boas festas com muitos brindes a todos e até a próxima publicação. Saúde!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Diamantina - Terra de vinhos, queijos e a famosa hospitalidade mineira.

Recentemente, passei por belas experiências de aprendizado em vinícolas, algumas distantes e outras bem pertinho daqui. Estas viagens vão render muito assunto pra matérias aqui no Vinho às Claras. Como sou uma entusiasta dos vinhos nacionais, resolvi começar falando da última viagem, realizada a pouco mais de uma semana para uma cidade bem próxima, a apenas 296 km de Belo Horizonte, Diamantina.
   A algum tempo atrás, publiquei um artigo falando sobre os vinhos de Minas e a técnica da dupla poda. Agora tive a oportunidade de visitar e ver pessoalmente o trabalho desenvolvido por vinícolas mineiras e posso afirmar que é apaixonante testemunhar o amor e o empenho envolvido na produção dos nossos vinhos.
   A viagem foi organizada pelas queridas Vanessa e Eveline, criadoras da confraria feminina Luluvinhas. No último dia 03, eu e mais 18 Lulus saímos de BH para conhecer a produção de vinhos e queijos da região. No dia seguinte, tínhamos programadas visitas à Vinícola Campo Alegre, per…

Outras cinco curiosidades sobre videiras, uvas e vinhos

Conforme prometido na publicação anterior, hoje vou falar sobre mais cinco curiosidades do mundo dos vinhos. Para manter uma sequência na leitura, no texto anterior falei sobre origens e produção e hoje vou falar de curiosidades sobre as videiras, envelhecimento do vinho, degustação e benefícios da bebida dos deuses à nossa saúde.

6- Tipos de uvas próprias para a produção do vinho
Existem cerca de 1000 espécies da Vitis Vinífera, videiras que produzem uvas próprias para a produção de vinhos, mas apenas cerca de 50 espécies são mais utilizadas e difundidas pelo mundo. Entre as castas mais conhecidas podemos citar:  Cabernet Sauvignon, Merlot, Syrah, Malbec, Chardonnay, Sauvignon Blanc, Riesling, entre outras.
  Muitas são castas autóctones e são produzidas apenas na sua região de origem. Portugal, apesar do seu pequeno tamanho, é um dos países com maior número de castas autóctones, sendo contabilizadas cerca de 300 castas. Além da grande diversidade, os portugueses são muito criativos …

Os aromas do vinho

Todo enófilo que se preze sabe que, para se desfrutar ao máximo das sensações que o vinho pode nos proporcionar, a taça deve ser girada para a maior liberação dos aromas presentes na bebida dos Deuses. O que muitos não sabem é que estes aromas podem nos ajudar muito a identificar não apenas o tipo de uva utilizada na produção daquele vinho, como também algumas técnicas utilizadas no processo de vinificação e até mesmo a idade do vinho.
   Durante a análise olfativa, podemos identificar três grupos de aromas, os primários, os secundários e os terciários. Os aromas primários são aqueles existentes no vinho que acabou de ser fermentado e podem ser próprios da uva ou originados do processo de fermentação. Em sua maioria, são aromas frutados, como as frutas cítricas, o pêssego e a maçã verde nos vinhos brancos e o morango, a ameixa e a framboesa em vinhos tintos. Em regiões muito quentes, onde a uva amadurece muito rápido, podemos sentir aromas de frutas cozidas ou secas. Algumas uvas tr…