Pular para o conteúdo principal

Poesia na Parede

"O VINHO CORROMPE A AMPULHETA HISTÉRICA DA VIDA EM SUA MAGNÍFICA E PERTUBADORA DUALIDADE:
É SACRO E HERÉTICO,
SERENO E DEVASTADOR,
SANGUE E ALIMENTO,
LETÁRGICO E DANÇANTE,
COMEÇO E FIM...
BEBAMOS UMA TAÇA CHEIA DE VINHO AO CLARÃO DO LUAR POIS, COMO DIRIA KAYYAM, TALVEZ AMANHÃ A LUA ME PROCURE EM VÃO..."

  Assistindo a um documentário sobre vinícolas brasileiras, me deparei com esta bela imagem e a curiosidade em saber o que estava escrito nesta parede me fez voltar a cena e tirar um print da tela. Durante muito tempo usei essa imagem como foto de capa em uma rede social e achei interessante usá-la no primeiro post do meu blog.  No meu ponto de vista, o texto descreve o vinho muito bem e é tão poético quanto ele!
  Mas porque um blog de vinho? Desde cedo a bebida de Baco me encantou mas, quando resolvi começar a estudar sobre o assunto, me apaixonei! É um universo tão extenso, com tantas nuances e escolhas! São as uvas, o local, o clima, o solo, a maneira de se plantar, as escolhas do enólogo e, até mesmo, o estado de espírito de quem está degustando. Um mundo enorme de possibilidades que faz com que cada garrafa seja uma surpresa. O vinho é uma bebida viva e, assim como os vivos, pode ser muito dócil ou temperamental. E aprender a desvendar essas facetas tem me trazido muito prazer.
  Na busca por conhecimentos nesse mundo tão cheio de informações, a gente acaba conhecendo pessoas e estórias muito interessantes, além, é claro, de informações interessantes sobre o próprio vinho. E o objetivo é exatamente registrar fatos, experiências e compartilhar com os enófilos curiosos.
  Deixo aqui essa imagem linda e vou até ali me alimentar de uma taça de inspiração.
  Até o próximo texto!



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Diamantina - Terra de vinhos, queijos e a famosa hospitalidade mineira.

Recentemente, passei por belas experiências de aprendizado em vinícolas, algumas distantes e outras bem pertinho daqui. Estas viagens vão render muito assunto pra matérias aqui no Vinho às Claras. Como sou uma entusiasta dos vinhos nacionais, resolvi começar falando da última viagem, realizada a pouco mais de uma semana para uma cidade bem próxima, a apenas 296 km de Belo Horizonte, Diamantina.
   A algum tempo atrás, publiquei um artigo falando sobre os vinhos de Minas e a técnica da dupla poda. Agora tive a oportunidade de visitar e ver pessoalmente o trabalho desenvolvido por vinícolas mineiras e posso afirmar que é apaixonante testemunhar o amor e o empenho envolvido na produção dos nossos vinhos.
   A viagem foi organizada pelas queridas Vanessa e Eveline, criadoras da confraria feminina Luluvinhas. No último dia 03, eu e mais 18 Lulus saímos de BH para conhecer a produção de vinhos e queijos da região. No dia seguinte, tínhamos programadas visitas à Vinícola Campo Alegre, per…

Outras cinco curiosidades sobre videiras, uvas e vinhos

Conforme prometido na publicação anterior, hoje vou falar sobre mais cinco curiosidades do mundo dos vinhos. Para manter uma sequência na leitura, no texto anterior falei sobre origens e produção e hoje vou falar de curiosidades sobre as videiras, envelhecimento do vinho, degustação e benefícios da bebida dos deuses à nossa saúde.

6- Tipos de uvas próprias para a produção do vinho
Existem cerca de 1000 espécies da Vitis Vinífera, videiras que produzem uvas próprias para a produção de vinhos, mas apenas cerca de 50 espécies são mais utilizadas e difundidas pelo mundo. Entre as castas mais conhecidas podemos citar:  Cabernet Sauvignon, Merlot, Syrah, Malbec, Chardonnay, Sauvignon Blanc, Riesling, entre outras.
  Muitas são castas autóctones e são produzidas apenas na sua região de origem. Portugal, apesar do seu pequeno tamanho, é um dos países com maior número de castas autóctones, sendo contabilizadas cerca de 300 castas. Além da grande diversidade, os portugueses são muito criativos …

Os aromas do vinho

Todo enófilo que se preze sabe que, para se desfrutar ao máximo das sensações que o vinho pode nos proporcionar, a taça deve ser girada para a maior liberação dos aromas presentes na bebida dos Deuses. O que muitos não sabem é que estes aromas podem nos ajudar muito a identificar não apenas o tipo de uva utilizada na produção daquele vinho, como também algumas técnicas utilizadas no processo de vinificação e até mesmo a idade do vinho.
   Durante a análise olfativa, podemos identificar três grupos de aromas, os primários, os secundários e os terciários. Os aromas primários são aqueles existentes no vinho que acabou de ser fermentado e podem ser próprios da uva ou originados do processo de fermentação. Em sua maioria, são aromas frutados, como as frutas cítricas, o pêssego e a maçã verde nos vinhos brancos e o morango, a ameixa e a framboesa em vinhos tintos. Em regiões muito quentes, onde a uva amadurece muito rápido, podemos sentir aromas de frutas cozidas ou secas. Algumas uvas tr…