Pular para o conteúdo principal

Primeiro Dia de Viagem - Garibaldi

  Continuando o diário da viagem, chegamos a Bento Gonçalves na terça, dia 10 de outubro, já no início da noite. Depois de um dia inteiro entre aeroportos, avião e estrada, pois o voo nos leva até Porto Alegre que fica a 122 km de Bento Gonçalves, só tivemos ânimo para sair para comer alguma coisa e voltamos para o hotel. O roteiro que tínhamos pela frente seria intenso.
  A primeira vinícola a visitar seria a Adolfo Lona. Conheci o mestre Lona no início do ano em uma degustação promovida por uma grande loja de vinhos aqui de BH e, na oportunidade, comentei da minha intenção de ir ao Sul e da vontade de conhecer a sua vinícola. Ele, muito simpático, se mostrou receptivo. Quando comecei a planejar o roteiro, descobri que a Adolfo Lona não incluía roteiros de visitação. Mandei um e-mail para a vinícola me identificando e falando a data da viagem e reafirmando a minha vontade de visitá-los. O próprio mestre me respondeu e marcamos a data. Era uma quarta-feira chuvosa e, mineiros como somos, chegamos pontualmente 15 minutos antes. O sr. Lona nos recebeu junto com a sua esposa sra. Silvia, tão simpática quanto ele, nos mostrou pessoalmente toda a vinícola e explicou passo a passo o processo de produção dos seus espumantes, nos apresentou aos seus funcionários e nos levou para conhecer a cave onde ficam maturando as suas preciosidades.
  Ao chegarmos na cave, nos deparamos com uma linda mesa posta com frios e pães e ele nos serviu um espumante Adolfo Lona Brut Rosé. Coincidentemente, este foi o primeiro espumante dele degustado por mim, aquele que me chamou a atenção para a qualidade do produtor e que eu já recomendei a várias pessoas que me pediram indicação. Elaborado pelo método Charmat, possui aromas de frutas vermelhas, é leve e com uma refrescância deliciosa. Degustar esse espumante na cave da Adolfo Lona, rodeada por todas aquelas garrafas em diferentes estágios de maturação e trocando impressões com o próprio mestre produtor, foi único. Quando saímos da vinícola, comentei com o meu marido que talvez aquela tenha sido a nossa melhor visita.
  Mas não parou por aí. O mestre trouxe uma segunda garrafa e tivemos o prazer de brindar com o Adolfo Lona Orus Doña Silvia 1972, lançado esse ano em homenagem à sua esposa e aos 45 anos de matrimônio do casal. Elaborado com as castas Merlot e Pinot Noir pelo método tradicional, passou mais de 30 meses de maturação em garrafa. Foram produzidas apenas 1100 garrafas e todas numeradas. Sua cor rosé clair é linda e a perlage fina e persistente. Os aromas surpreendem porque, apesar do tempo de maturação, se percebe as notas de panificação mas sem se sobrepor às frutas vermelhas. Em boca é marcante, com sabores de amêndoas torradas, morango, cerejas e uma ótima acidez.
    



Durante duas horas ficamos dentro da cave do mestre, nos deliciando com os seus espumantes, o ambiente acolhedor e a conversa. Quando nos despedimos, ele nos deu de presente uma garrafa do Adolfo Lona Brut Nature elaborado pelo método tradicional e sem a adição de licor de expedição. Em nossas conversas, eu havia mencionado que era o meu espumante favorito. Claro que, até então, eu não havia degustado o fantástico Orus Doña Silvia 1972.
  Após essa primeira e deliciosa visita, fomos até a vinícola Peterlongo onde tínhamos agendado uma visitação guiada para o início da tarde. O castelo da Peterlongo é encantador! Passamos pela linha de produção, conhecemos o museu e visitamos as caves subterrâneas com suas paredes de pedra onde se vê a água minando livremente. O guia nos explicou que a vinícola foi fundada por Manoel Peterlongo a mais de 100 anos mas que hoje já não pertence mais à família. Eles se orgulham em falar que os únicos Champagnes brasileiros são produzidos por eles, pois conseguiram judicialmente o direito de usar o termo. Tenho minhas restrições com relação ao uso do termo no espumante nacional mas não é o objetivo desse texto. Quem sabe em uma futura publicação.





  Após o tour, seguimos, é claro, para a sala de degustação, onde nos deliciamos com alguns rótulos e rumamos para a nossa última visita do dia, a Cooperativa Garibaldi.
  Quando eu estava montando o roteiro de viagem, tentei contato por e-mail com a Cooperativa mas não obtive resposta. Como estávamos em Garibaldi, resolvemos que valeria a pena tentar uma visita mesmo assim. Fomos recebidos cordialmente, como é a regra nas vinícolas do Sul, e rapidamente conduzidos a uma visitação guiada. Na realidade, não se conhece a vinícola. Você é conduzido por um museu, onde passa por equipamentos muito antigos que eram usados na vinificação, por enormes barris de madeira que hoje foram substituídos pelos tanques de aço inox e a guia explica a história do surgimento da Cooperativa. Depois, é claro, vamos às degustações.
  Ao contrário das duas vinícolas anteriores, a Garibaldi não concentra a sua produção apenas em espumantes, tendo também vários rótulos de vinhos tranquilos. São vinhos mais simples, mas no geral, bem elaborados e de baixo custo. A visita e a degustação não são pagas e eles te deixam muito a vontade para comprar ou não na loja.
  Felizes pelas belas experiências do dia e carregando algumas garrafas, voltamos para Bento Gonçalves. No próximo texto, vou falar de como valeu a pena sair de manhã debaixo de um temporal e ficar sem almoço.
  Até lá! Tim tim!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Diamantina - Terra de vinhos, queijos e a famosa hospitalidade mineira.

Recentemente, passei por belas experiências de aprendizado em vinícolas, algumas distantes e outras bem pertinho daqui. Estas viagens vão render muito assunto pra matérias aqui no Vinho às Claras. Como sou uma entusiasta dos vinhos nacionais, resolvi começar falando da última viagem, realizada a pouco mais de uma semana para uma cidade bem próxima, a apenas 296 km de Belo Horizonte, Diamantina.
   A algum tempo atrás, publiquei um artigo falando sobre os vinhos de Minas e a técnica da dupla poda. Agora tive a oportunidade de visitar e ver pessoalmente o trabalho desenvolvido por vinícolas mineiras e posso afirmar que é apaixonante testemunhar o amor e o empenho envolvido na produção dos nossos vinhos.
   A viagem foi organizada pelas queridas Vanessa e Eveline, criadoras da confraria feminina Luluvinhas. No último dia 03, eu e mais 18 Lulus saímos de BH para conhecer a produção de vinhos e queijos da região. No dia seguinte, tínhamos programadas visitas à Vinícola Campo Alegre, per…

Outras cinco curiosidades sobre videiras, uvas e vinhos

Conforme prometido na publicação anterior, hoje vou falar sobre mais cinco curiosidades do mundo dos vinhos. Para manter uma sequência na leitura, no texto anterior falei sobre origens e produção e hoje vou falar de curiosidades sobre as videiras, envelhecimento do vinho, degustação e benefícios da bebida dos deuses à nossa saúde.

6- Tipos de uvas próprias para a produção do vinho
Existem cerca de 1000 espécies da Vitis Vinífera, videiras que produzem uvas próprias para a produção de vinhos, mas apenas cerca de 50 espécies são mais utilizadas e difundidas pelo mundo. Entre as castas mais conhecidas podemos citar:  Cabernet Sauvignon, Merlot, Syrah, Malbec, Chardonnay, Sauvignon Blanc, Riesling, entre outras.
  Muitas são castas autóctones e são produzidas apenas na sua região de origem. Portugal, apesar do seu pequeno tamanho, é um dos países com maior número de castas autóctones, sendo contabilizadas cerca de 300 castas. Além da grande diversidade, os portugueses são muito criativos …

As poderosas uvas italianas

Recentemente, estive em duas degustações às cegas com o tema de vinhos italianos e a potência e estrutura de vários desses vinhos me inspirou a escrever este texto. A Itália é um país de grande tradição vinícola e o seu território serve de lar a castas muito singulares, capazes de produzir vinhos únicos, poderosos e de grande guarda. Para quem gosta de vinhos com muito corpo, tânicos e muito estruturados, a sessão italiana da loja de vinhos é uma parada obrigatória. É claro que em um país com tanta tradição e diferentes tipos de terrois, os estilos são muito diversos. Podemos encontrar desde vinhos leves e fáceis de beber como os Bardolinos e os Valpolicellas, como vinhos de médio corpo como os Barberas e os Dolcettos e os poderosos e encorpados, que são o tema da publicação de hoje.
  De norte a sul, encontramos vinhos marcantes e únicos na Itália. Na região noroeste, ao sopé dos Alpes, fica o Piemonte, lar da Nebbiolo, casta que produz dois dos mais famosos vinhos italianos e sonh…