Pular para o conteúdo principal

Harmonizando queijos e vinhos

  Quando se fala em vinho, logo vem na nossa mente uma bela tábua de queijos para acompanhar. E não é para menos, visto a grande quantidade de semelhanças na produção dos dois. Assim como o vinho, o queijo surge por meio da fermentação e pode passar por uma guarda para maturação. As características de ambos são influenciadas pelo terroir da região, ou seja, a união de fatores como o clima, o solo e a interferência humana daquela área influenciarão diretamente no resultado final do produto. Por esse motivo, assim como os vinhos, os queijos possuem identificação de procedência regulamentada por lei. Mas a harmonização não é tão simples como se pensa. Existem uma infinidade de estilos de vinhos e de queijos, com características bem diversas. Para facilitar um pouco a vida dos meus amigos enófilos, vou dar algumas dicas para que você não erre na escolha dos queijos que irão acompanhar aquele vinho especial.
  Continuando com as semelhanças, assim como os vinhos podem ser divididos em espumantes, brancos frescos, brancos encorpados, rosés, tintos leves, tintos de médio corpo, tintos encorpados e vinhos doces, os queijos também são divididos em categorias de acordo com as suas características. Os encontrados comumente no Brasil podem ser classificados como frescos, curados cremosos, semi-duros ou duros e os queijos azuis.

  Queijos Frescos
  
  São queijos suaves, que nos permitem uma maior percepção dos sabores do leite, com massa úmida e acidulada e que não passaram por um processo de maturação. Fazem parte deste grupo a Mussarela de Búfala, o queijo Minas Frescal, a Ricota e o Mascarpone. Para uma boa harmonização, o vinho deve ser leve e com uma boa acidez para não contrastar com a suavidade e as notas aciduladas da massa. Um vinho branco seco e sem madeira, como um Sauvignon Blanc, um Muscadet ou um Torrontés, ou um espumante elaborado pelo método Charmat, seriam ótimas opções.

  Queijos Curados Cremosos

  São queijos nobres, de origem européia, com o interior cremoso recoberto por uma fina camada de bolor branco de textura aveludada e sabores suaves bem peculiares que lembram nozes e cogumelos. Os principais exemplos são o Brie e o Camembert. Fazem boa harmonização com brancos e espumantes de médio corpo, como um Chardonnay, um Riesling ou um Cava. Também podem ser servidos com tintos leves como um Beaujolais, um Valpolicella ou um Pinot Noir.


  Queijos Curados Semi-Duros
  
  Um dos melhores exemplos é o nosso famosos queijo Canastra Meia Cura, considerado patrimônio cultural imaterial brasileiro. É um queijo encorpado, com sabor forte e picante que harmoniza muito bem com tintos estruturados de médio corpo, como um Tempranillo, um Malbec ou um Syrah. Também podem ser servidos com vinhos brancos, rosés e espumantes mais estruturados, como um Gewürztraminer, um Chardonnay com passagem em barricas de carvalho ou um rosé de Tavel. Outros exemplos de queijos semi-duros são o Gouda e o reino.

  Queijos Curados Duros

  Muito ricos em sabores, com textura granulada, são queijos que exigem um vinho encorpado, capaz de acompanhar o seu paladar forte. Entre eles estão o Parmesão, o Ementhal, de origem suíça é um queijo gorduroso de sabor suavemente adocicado, o Grana Padano, o Minas Artesanal da Serra do Salitre, o Gruyère e o Parmigiano Reggiano. Para esses queijos, a melhor opção serão tintos potentes como um Chianti Clássico, um Cabernet Sauvignon, um Shiraz Australiano ou até mesmo um Brunello.

  Queijos Azuis

Esses são os famosos queijos mofados. Geralmente, possuem uma textura úmida para facilitar a formação do bolor, sabores fortes e picantes e um teor de sal superior. Os exemplos mais conhecidos são o Gorgonzola e o Roquefort, feito com leite de ovelha. Devido ao seu sabor salgado, podem ser harmonizados com tintos encorpados. Mas a harmonização perfeita são os vinhos doces, pois o contraste do sal do queijo com a doçura do vinho nos proporciona uma combinação com resultados muito interessantes. 

É importante que, em uma noite de queijos e vinhos, sejam servidos uma variedade de quatro a seis tipos diferentes de queijos, levando-se em conta, na hora da escolha, os vinho que serão servidos. Uma outra dica importante para a harmonização é incluir outros tipos de frios como salames e presuntos, além de pães e patês. E, claro, sempre muita água. E lembrar que harmonização é algo pessoal e o mais importante é a combinação agradar ao seu paladar. Desejo ótimos vinhos e queijos a todos e até um próximo texto. Salute!                                                                                                                                                                                   

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Diamantina - Terra de vinhos, queijos e a famosa hospitalidade mineira.

Recentemente, passei por belas experiências de aprendizado em vinícolas, algumas distantes e outras bem pertinho daqui. Estas viagens vão render muito assunto pra matérias aqui no Vinho às Claras. Como sou uma entusiasta dos vinhos nacionais, resolvi começar falando da última viagem, realizada a pouco mais de uma semana para uma cidade bem próxima, a apenas 296 km de Belo Horizonte, Diamantina.
   A algum tempo atrás, publiquei um artigo falando sobre os vinhos de Minas e a técnica da dupla poda. Agora tive a oportunidade de visitar e ver pessoalmente o trabalho desenvolvido por vinícolas mineiras e posso afirmar que é apaixonante testemunhar o amor e o empenho envolvido na produção dos nossos vinhos.
   A viagem foi organizada pelas queridas Vanessa e Eveline, criadoras da confraria feminina Luluvinhas. No último dia 03, eu e mais 18 Lulus saímos de BH para conhecer a produção de vinhos e queijos da região. No dia seguinte, tínhamos programadas visitas à Vinícola Campo Alegre, per…

Outras cinco curiosidades sobre videiras, uvas e vinhos

Conforme prometido na publicação anterior, hoje vou falar sobre mais cinco curiosidades do mundo dos vinhos. Para manter uma sequência na leitura, no texto anterior falei sobre origens e produção e hoje vou falar de curiosidades sobre as videiras, envelhecimento do vinho, degustação e benefícios da bebida dos deuses à nossa saúde.

6- Tipos de uvas próprias para a produção do vinho
Existem cerca de 1000 espécies da Vitis Vinífera, videiras que produzem uvas próprias para a produção de vinhos, mas apenas cerca de 50 espécies são mais utilizadas e difundidas pelo mundo. Entre as castas mais conhecidas podemos citar:  Cabernet Sauvignon, Merlot, Syrah, Malbec, Chardonnay, Sauvignon Blanc, Riesling, entre outras.
  Muitas são castas autóctones e são produzidas apenas na sua região de origem. Portugal, apesar do seu pequeno tamanho, é um dos países com maior número de castas autóctones, sendo contabilizadas cerca de 300 castas. Além da grande diversidade, os portugueses são muito criativos …

As poderosas uvas italianas

Recentemente, estive em duas degustações às cegas com o tema de vinhos italianos e a potência e estrutura de vários desses vinhos me inspirou a escrever este texto. A Itália é um país de grande tradição vinícola e o seu território serve de lar a castas muito singulares, capazes de produzir vinhos únicos, poderosos e de grande guarda. Para quem gosta de vinhos com muito corpo, tânicos e muito estruturados, a sessão italiana da loja de vinhos é uma parada obrigatória. É claro que em um país com tanta tradição e diferentes tipos de terrois, os estilos são muito diversos. Podemos encontrar desde vinhos leves e fáceis de beber como os Bardolinos e os Valpolicellas, como vinhos de médio corpo como os Barberas e os Dolcettos e os poderosos e encorpados, que são o tema da publicação de hoje.
  De norte a sul, encontramos vinhos marcantes e únicos na Itália. Na região noroeste, ao sopé dos Alpes, fica o Piemonte, lar da Nebbiolo, casta que produz dois dos mais famosos vinhos italianos e sonh…