Pular para o conteúdo principal

Cinco curiosidades sobre videiras, uvas e vinhos


  Quando comecei a escrever esse texto, tinha a intenção de falar sobre dez curiosidades do mundo dos vinhos mas, pra variar, me entusiasmei com o tema e acabei escrevendo bem mais do que o planejado. Portanto, para não ficar uma publicação enorme e acabar desencorajando a leitura, dividi o texto em dois e, na próxima semana, falarei de outras cinco curiosidades.

  1- A origem do vinho
  Para a maioria dos pesquisadores, o vinho surgiu na região do Cáucaso, a cerca de 8000 anos atrás. Existem indícios de plantações de vinhas nesta região datadas entre 8000 a.C. e 5000 a.C. Mas a origem precisa é impossível pois o vinho surgiu antes da escrita.
  Os primeiros registros através de pinturas foram feitos pelos egípcios a 4000 anos. Neles estão documentadas as celebrações e as etapas do processo de vinificação. Em 1922, quando foi encontrada a tumba de Tutankamon, foram encontradas 26 ânforas com indicação de safra, vinhedo e nome do enólogo, mostrando que, naquela época, os egípcios já tinham um sistema de denominação de origem. Ao serem analisadas, descobriu-se que haviam três tipos de vinhos: tinto, branco e fortificado. Isto surpreendeu os pesquisadores que acreditavam, até então, que o vinho branco tivesse surgido 1500 anos depois.

  2- Uvas tintas podem produzir vinhos brancos mas uvas brancas não podem produzir vinhos tintos
  As uvas brancas só podem produzir vinhos brancos. Mas as uvas tintas podem produzir tintos, brancos e rosés. Isto é possível porque a polpa de todas as uvas é branca, a pigmentação estando presente apenas na casca.
  Para se produzir vinhos tintos, é necessário que o suco permaneça em contato com as cascas durante a fermentação para se extrair a cor. Já para se produzir o vinho branco, as uvas são prensadas e o suco é imediatamente separado das cascas, para que não adquira nenhuma pigmentação.
  E os vinhos rosés? Ao contrário do que muitos imaginam, a maioria dos vinhos rosés não são uma mistura de tinto e branco. Eles são produzidos com uvas tintas. As cascas ficando em contato com o suco por apenas algumas horas, o suficiente para se extrair cor para dar ao vinho o tom rosado esperado.

  3- A origem do Champagne
  O famoso Champagne surgiu por um acidente causado pelas condições naturais da região. Dom Pierre Pérignon, monge beneditino, tesoureiro da Abadia  de Hautvillers, recebe os créditos de criador do Champagne mas, na realidade, ele passou boa parte da vida tentando eliminar as bolhas que causavam tanto prejuízo à sua produção.
  A explicação paro o "fenômeno" é simples. Em temperaturas abaixo de cinco graus centígrados, a fermentação para naturalmente e as leveduras ficam inativas. A região de Champagne possui um clima fresco, com invernos bem frios. Portanto, com o avançar do outono e a aproximação do inverno, a fermentação era interrompida, apesar de ainda restar açúcar no vinho base. Com a chegada da primavera e o consequente aumento da temperatura, a fermentação era reativada. Isto não constituía um problema enquanto os vinhos eram armazenados em barricas, de onde o gás carbônico gerado poderia escapar. Mas Dom Pérignon os engarrafava cedo para que não perdessem suas características frutadas. As garrafas de vidro, muito frágeis na época, não resistiam à pressão causada pelo gás carbônico resultante da segunda fermentação e explodiam. Depois de muitas tentativas frustradas de se acabar com as bolhas, a solução foi se render a elas. Sorte a nossa!

  4- Como surgiu o brinde
  Para muitos, o brinde é uma forma de comemoração. Brindamos quando conquistamos algo desejado, nos aniversários, nos casamentos, quando nasce um filho. Enfim, brindamos à vida! Mas o que a maioria não sabe é que a origem do brinde não é assim tão comemorativa. Acredita-se que o brinde surgiu na antiguidade, em uma época em que era muito comum a prática de assassinatos por envenenamento. Durante os banquetes para selar a paz após os conflitos, os líderes batiam fortemente as suas taças de estanho, de forma que gotas saltassem de uma taça para a outra, garantindo que a bebida não estaria envenenada e que ambos poderiam beber sem riscos. Por isto, o hábito de dizer saúde. Podemos dizer que, naquela época, significava: "Eu não estou tentando te matar."

  5- O vinho doce não tem adição de açúcar. Mas o suave tem!
  O vinho é obtido através da fermentação do suco da uva, transformando o açúcar presente em álcool e gás carbônico. Durante o processo de vinificação tradicional, todo o açúcar presente no suco será transformado em álcool, produzindo-se um vinho seco. Quando se pretende criar um vinho doce, o enólogo poderá se utilizar de dois métodos: interromper o processo de fermentação ou utilizar uvas com maior concentração de açúcar.
  O processo de fermentação pode ser interrompido através da fortificação, onde se adiciona aguardente vínica e o seu alto teor alcoólico mata as leveduras, como é o caso do Vinho do Porto. Outra forma é arrefecer o suco em fermentação a temperaturas abaixo de cinco graus centígrados, paralisando a ação das leveduras enquanto ainda resta açúcar e as removendo em seguida pela filtragem, como é feito no método Asti.
  Para se conseguir uvas com alta concentração de açúcar, pode se realizar a colheita tardia, mantendo as uvas sobre-maduras na videira , até que se desidratem, como é o caso dos Late Harvest. As uvas podem ser colhidas e deixadas para secar em um ambiente seco e arejado, como é feito para a elaboração dos Recioto della Valpolicella. Em algumas regiões de clima propício, as uvas podem ser deixadas na videira para o surgimento de um fungo chamado botrytis cinerea, responsável pela podridão nobre que, além de concentrar os açúcares, adiciona ao vinho sabores de mel, casca de laranja e frutas secas, como é o caso do Sauternes e do Tokaji. Em regiões frias como o Canadá e a Alemanha, as uvas são deixadas congelando na videira e, posteriormente, os cristais de gelo são removidos, concentrando os açúcares e os sabores. Um exemplo são os deliciosos Icewine canadenses. Seja qual for o método de elaboração dos vinhos doces, é exigida uma maior atenção do enólogo a todas as fases e os custos de produção são mais altos.
  Já no caso dos vinhos suaves, a fermentação ocorre até que todo o açúcar do suco tenha se transformado em álcool e depois será acrescentado outro tipo de açúcar para suavizar a secura do vinho. Vale destacar que, quando se adoça o vinho, deve-se aumentar a quantidade de conservantes, o que explica a tradicional "dor de cabeça" após algumas taças de vinho suave.
  Vou ficando por aqui mas a boa notícia é que daqui alguns dias teremos novas curiosidades sobre o mundo dos vinhos. Boa semana a todos e até a próxima publicação. Toast!


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Diamantina - Terra de vinhos, queijos e a famosa hospitalidade mineira.

Recentemente, passei por belas experiências de aprendizado em vinícolas, algumas distantes e outras bem pertinho daqui. Estas viagens vão render muito assunto pra matérias aqui no Vinho às Claras. Como sou uma entusiasta dos vinhos nacionais, resolvi começar falando da última viagem, realizada a pouco mais de uma semana para uma cidade bem próxima, a apenas 296 km de Belo Horizonte, Diamantina.
   A algum tempo atrás, publiquei um artigo falando sobre os vinhos de Minas e a técnica da dupla poda. Agora tive a oportunidade de visitar e ver pessoalmente o trabalho desenvolvido por vinícolas mineiras e posso afirmar que é apaixonante testemunhar o amor e o empenho envolvido na produção dos nossos vinhos.
   A viagem foi organizada pelas queridas Vanessa e Eveline, criadoras da confraria feminina Luluvinhas. No último dia 03, eu e mais 18 Lulus saímos de BH para conhecer a produção de vinhos e queijos da região. No dia seguinte, tínhamos programadas visitas à Vinícola Campo Alegre, per…

Outras cinco curiosidades sobre videiras, uvas e vinhos

Conforme prometido na publicação anterior, hoje vou falar sobre mais cinco curiosidades do mundo dos vinhos. Para manter uma sequência na leitura, no texto anterior falei sobre origens e produção e hoje vou falar de curiosidades sobre as videiras, envelhecimento do vinho, degustação e benefícios da bebida dos deuses à nossa saúde.

6- Tipos de uvas próprias para a produção do vinho
Existem cerca de 1000 espécies da Vitis Vinífera, videiras que produzem uvas próprias para a produção de vinhos, mas apenas cerca de 50 espécies são mais utilizadas e difundidas pelo mundo. Entre as castas mais conhecidas podemos citar:  Cabernet Sauvignon, Merlot, Syrah, Malbec, Chardonnay, Sauvignon Blanc, Riesling, entre outras.
  Muitas são castas autóctones e são produzidas apenas na sua região de origem. Portugal, apesar do seu pequeno tamanho, é um dos países com maior número de castas autóctones, sendo contabilizadas cerca de 300 castas. Além da grande diversidade, os portugueses são muito criativos …

Uma visita a Tokaj

Durante o mês de junho, estive visitando algumas regiões vinícolas do velho mundo e tive o prazer de passar três doces dias em Tokaj, região onde são elaborados alguns dos melhores vinhos de sobremesa do mundo. Situada no nordeste da Hungria, com um pequeno trecho cobrindo o território eslovaco, a região de Tokaj-Hegyalja é protegida desde 1737, quando foi declarada uma área exclusiva de vinhos através de um decreto real, e em 2002 tornou-se Patrimônio Mundial da UNESCO.
   Em uma área de 275 quilômetros quadrados, as videiras dividem espaço com belíssimas plantações de girassóis e pequenos vilarejos pitorescos repletos de lojinhas de vinhos e badulaques e de restaurantes com ótimas comidas a bom preço. Andar pelas ruas das vilas de Tokaj é como voltar no tempo, longe da correria e do movimento das grandes cidades, a vida parecendo andar mais devagar. E não tente fazer alguma compra ou mesmo uma refeição entre as 14 e 16 horas, pois eles seguem o costume da sesta, tão difundido em v…