Pular para o conteúdo principal

Cabernet Sauvignon: A rainha das uvas tintas.

  Na publicação anterior, falei sobre a Chardonnay, considerada a rainha das uvas brancas. Nada mais justo que falar hoje sobre a rainha das tintas. Mas antes de começar a falar da Cabernet Sauvignon, vamos entender melhor o que são os taninos. Quem nunca comeu uma banana ou um caqui não totalmente maduros e teve aquela sensação de secura na boca ou como se tivesse uma cola entre os lábios e a gengiva? Pois essa adstringência está presente, em menor ou maior grau, nos vinhos tintos. E os responsáveis por essa sensação são os taninos presentes na casca das uvas. Essas substâncias químicas são compostos fenólicos importantes na estrutura do vinho, contribuindo para a sua estrutura e o seu potencial de envelhecimento. Quando as uvas não amadurecem totalmente, os taninos podem ser amargos e ásperos, tornando os vinhos duros. Mas, quando estão completamente amadurecidas, o nível de amargor e adstringência diminui, eles se tornam macios, com textura aveludada, contribuindo com o peso e o volume dos vinhos na boca.
  A Cabernet Sauvignon é uma casta de bagos pequenos, com pouca poupa e casca grossa, o que confere ao vinho muita cor, sabor e taninos. Originária de Bordeaux, na França, ela surgiu do cruzamento da Cabernet Franc com a Sauvignon Blanc. É uma casta de maturação tardia, por este motivo pode ter certa dificuldade em amadurecer em regiões de clima fresco, produzindo vinhos com taninos ásperos e aromas herbáceos, como pimentão verde. Mas em regiões em que atinge a completa maturação, produz vinhos com uma coloração rubi profunda, muito corpo, sabores de frutas negras, menta e taninos, poderosos na juventude, que se tornarão macios com o envelhecimento. É, portanto, uma casta que produz vinhos com alta longevidade e que se beneficia muito do uso da madeira de carvalho que, além de contribuir na eliminação das arestas dos taninos, adiciona sabores de cedro tostado, baunilha e café. Cultivada em várias regiões do mundo, é usada para a produção de vinhos varietais ou em cortes com diferentes castas.
  Em Bordeaux, é utilizada sempre em cortes com a Merlot e a Cabernet Franc. Esse famoso "corte Bordalês" é reproduzido em várias regiões vinícolas do mundo. A Merlot traz suavidade ao corte, amaciando a alta carga tânica da Cabernet Sauvignon e adicionando sabores frutados e corpo ao vinho. Na Austrália, ela é muito utilizada em cortes com a Shiraz, na Itália com a Sangiovese e na Espanha com a Tempranillo. É a uva tinta mais plantada na Califórnia, sendo muito utilizada em varietais ou em cortes com a Merlot. Junto com a Chardonnay, a Cabernet Sauvignon californiana foi a estrela do Julgamento de Paris, com seus vinhos desbancando os melhores franceses. Se você não leu o artigo anterior, lá eu conto detalhes desta história bem interessante do mundo dos vinhos.
  Onde existe um pouquinho de calor, existem videiras de Cabernet Sauvignon. Como rainha das tintas, ela expandiu os seus limites e hoje também está presente na África do Sul, onde é a casta tinta mais plantada. Também é a principal casta chilena, onde pode ser encontrada em cortes com a Merlot e a Carmenère. Na Argentina, perde o seu reinado para a Malbec mas também tem grande importância na produção vinícola do país. Aqui no Brasil, ela também dá a sua contribuição aparecendo em varietais e em cortes ao estilo bordalês e já pude constatar a alta qualidade de alguns produtores.
  Ela se tornou popular entre os enófilos e já ouvi de várias pessoas que, quando vão escolher um vinho," sempre compram Cabernet Sauvignon porque não tem erro". Na realidade, o processo de vinificação e o local onde foi plantada irá ditar o estilo do vinho. Quando vinificada para produção de maior volume, os vinhos serão simples, jovens, menos encorpados, os sabores frutados mais evidentes e será um vinho mais fácil de beber. Em regiões onde ela tiver dificuldade de atingir sua total maturação, ainda estarão evidentes os aromas herbáceos, como pimentão e menta. Mas, quando vinificada com controle de produção e maturação em barris de carvalho novos, ela é capaz de produzir vinhos com grande complexidade de aromas e sabores, potentes, gastronômicos e com grande potencial de envelhecimento. Portanto, existem estilos muito diferentes e o importante é você descobrir o que te agrada. E não deixar de experimentar outras uvas. Um dos aspectos mais interessante do mundo dos vinhos é exatamente essa diversidade de estilos. Você pode já ter degustado centenas de garrafas mas sempre será surpreendido por algo diferente.
  Vou terminando por aqui e vou até ali tentar me surpreender com um novo rótulo. Uma boa semana a todos e até um próximo texto. Salute!





Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Diamantina - Terra de vinhos, queijos e a famosa hospitalidade mineira.

Recentemente, passei por belas experiências de aprendizado em vinícolas, algumas distantes e outras bem pertinho daqui. Estas viagens vão render muito assunto pra matérias aqui no Vinho às Claras. Como sou uma entusiasta dos vinhos nacionais, resolvi começar falando da última viagem, realizada a pouco mais de uma semana para uma cidade bem próxima, a apenas 296 km de Belo Horizonte, Diamantina.
   A algum tempo atrás, publiquei um artigo falando sobre os vinhos de Minas e a técnica da dupla poda. Agora tive a oportunidade de visitar e ver pessoalmente o trabalho desenvolvido por vinícolas mineiras e posso afirmar que é apaixonante testemunhar o amor e o empenho envolvido na produção dos nossos vinhos.
   A viagem foi organizada pelas queridas Vanessa e Eveline, criadoras da confraria feminina Luluvinhas. No último dia 03, eu e mais 18 Lulus saímos de BH para conhecer a produção de vinhos e queijos da região. No dia seguinte, tínhamos programadas visitas à Vinícola Campo Alegre, per…

Outras cinco curiosidades sobre videiras, uvas e vinhos

Conforme prometido na publicação anterior, hoje vou falar sobre mais cinco curiosidades do mundo dos vinhos. Para manter uma sequência na leitura, no texto anterior falei sobre origens e produção e hoje vou falar de curiosidades sobre as videiras, envelhecimento do vinho, degustação e benefícios da bebida dos deuses à nossa saúde.

6- Tipos de uvas próprias para a produção do vinho
Existem cerca de 1000 espécies da Vitis Vinífera, videiras que produzem uvas próprias para a produção de vinhos, mas apenas cerca de 50 espécies são mais utilizadas e difundidas pelo mundo. Entre as castas mais conhecidas podemos citar:  Cabernet Sauvignon, Merlot, Syrah, Malbec, Chardonnay, Sauvignon Blanc, Riesling, entre outras.
  Muitas são castas autóctones e são produzidas apenas na sua região de origem. Portugal, apesar do seu pequeno tamanho, é um dos países com maior número de castas autóctones, sendo contabilizadas cerca de 300 castas. Além da grande diversidade, os portugueses são muito criativos …

Os aromas do vinho

Todo enófilo que se preze sabe que, para se desfrutar ao máximo das sensações que o vinho pode nos proporcionar, a taça deve ser girada para a maior liberação dos aromas presentes na bebida dos Deuses. O que muitos não sabem é que estes aromas podem nos ajudar muito a identificar não apenas o tipo de uva utilizada na produção daquele vinho, como também algumas técnicas utilizadas no processo de vinificação e até mesmo a idade do vinho.
   Durante a análise olfativa, podemos identificar três grupos de aromas, os primários, os secundários e os terciários. Os aromas primários são aqueles existentes no vinho que acabou de ser fermentado e podem ser próprios da uva ou originados do processo de fermentação. Em sua maioria, são aromas frutados, como as frutas cítricas, o pêssego e a maçã verde nos vinhos brancos e o morango, a ameixa e a framboesa em vinhos tintos. Em regiões muito quentes, onde a uva amadurece muito rápido, podemos sentir aromas de frutas cozidas ou secas. Algumas uvas tr…