Pular para o conteúdo principal

Vinhos de Minas

  A alguns meses atrás, participei de uma degustação dos vinhos Maria Maria promovida por uma loja de vinhos daqui de Belo Horizonte. Eu já estava curiosa sobre esses vinhos produzidos por Eduardo Junqueira na Fazenda Capetinga de Três Pontas, Sul de Minas, desde que o Maria Maria Bel Sauvignon Blanc 2015 foi o vencedor da categoria bronze do Decanter World Wine Awards 2017, em Londres.
  Eduardo Junqueira, pertencente à uma tradicional família de cafeicultores do Sul de Minas, resolveu investir na viticultura em 2009 e o nome dos vinhos surgiu graças à sua amizade com o cantor Milton Nascimento. Além do vinho branco, ele também produz um rosé e um tinto de Syrah e cada um dos seus rótulos recebe o nome de uma das mulheres da família.
  O Sauvignon Blanc Bel Maria Maria 2015 Colheita de Inverno apresenta aromas de frutas cítricas, herbáceo e notas florais, corpo médio e ótima acidez refrescante. Um vinho que já carrega consigo uma premiação importante e o privilégio de colocar o nome de Minas como um estado que, apesar de todas as adversidades climáticas para o cultivo de videiras, é capaz de produzir vinhos de qualidade.
  O Maria Maria Claudia Rosé 2016 Colheita de Inverno foi elaborado com a uva Syrah e possui uma coloração avermelhada, quase um rubi pálido. Possui aromas intensos de frutas vermelhas maduras, quase em compotas, morangos, framboesas e bala de tutti frutti. Mais encorpado que a maioria dos rosés, apresenta boa acidez, é muito frutado e com ótima persistência. Não é um vinho premiado, mas me surpreendeu e agradou bastante.
  O Syrah Maria Maria Bia 2015 Colheita de Inverno apresenta aromas intensos de frutas negras, tostado, cedro, pimenta negra e um toque de orégano. É encorpado, com taninos firmes mas macios, equilibrados por uma boa acidez e final amplo. Um grande vinho que não faz feio perto dos melhores exemplares do Rhône, berço da casta.





  Mas a produção de Minas não para por aí. Em Cordislândia, também no Sul de Minas, Na Fazenda do Porto, especializada originalmente em café, leite e cavalos, foi fundada em 1980 a Luiz Porto Vinhos Finos, que produz hoje cerca de 50 mil litros de vinhos finos por ano. Na fazenda são cultivadas Cabernet Franc, Cabernet Sauvignon, Merlot, Pinot Noir, Syrah, Tempranillo, Chardonnay e Sauvignon Blanc e são produzidos tintos, brancos e espumantes em duas linhas. A Dom de Minas, linha de entrada com vinhos frutados e fáceis de beber, e a Luiz Porto, com vinhos mais sofisticados e elaborados.
  Em Três Corações é produzido o vinho Primeira Estrada Syrah pela vinícola Estrada Real. Em Andradas, a Casa Geraldo foi fundada a mais de trinta anos por descendentes de imigrantes italianos. A ABN em Andrelândia, na Serra da Mantiqueira produz Pinot Noir, Syrah, Cabernet Franc entre outras. E em Santana dos Montes, a fazenda Guarará produz variedades como Merlot, Syrah, Cabernet Franc e Tempranillo.
  O desenvolvimento da vitivinicultura em Minas se deve principalmente a um projeto da Epamig, onde é oferecido suporte técnico aos produtores e à técnica de dupla poda, desenvolvida pelo pesquisador Murillo Albuquerque Regina, que se baseia em um manejo de podas diferenciado, invertendo o ciclo da videira. Desta forma, as uvas serão colhidas no inverno, época do ano que o clima de Minas Gerais é mais propício para a boa maturação das uvas. No ciclo normal, a maturação das uvas acontece no verão. Enfim, é o nosso famoso jeitinho brasileiro mas que, nesse caso, rendeu ótimo frutos.
  Com persistência, amor e determinação podemos muito! Além disso, a bebida de Baco tem o dom de inspirar! Desejo ótimas taças de inspiração a todos e até um próximo texto! Cheers!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Diamantina - Terra de vinhos, queijos e a famosa hospitalidade mineira.

Recentemente, passei por belas experiências de aprendizado em vinícolas, algumas distantes e outras bem pertinho daqui. Estas viagens vão render muito assunto pra matérias aqui no Vinho às Claras. Como sou uma entusiasta dos vinhos nacionais, resolvi começar falando da última viagem, realizada a pouco mais de uma semana para uma cidade bem próxima, a apenas 296 km de Belo Horizonte, Diamantina.
   A algum tempo atrás, publiquei um artigo falando sobre os vinhos de Minas e a técnica da dupla poda. Agora tive a oportunidade de visitar e ver pessoalmente o trabalho desenvolvido por vinícolas mineiras e posso afirmar que é apaixonante testemunhar o amor e o empenho envolvido na produção dos nossos vinhos.
   A viagem foi organizada pelas queridas Vanessa e Eveline, criadoras da confraria feminina Luluvinhas. No último dia 03, eu e mais 18 Lulus saímos de BH para conhecer a produção de vinhos e queijos da região. No dia seguinte, tínhamos programadas visitas à Vinícola Campo Alegre, per…

Outras cinco curiosidades sobre videiras, uvas e vinhos

Conforme prometido na publicação anterior, hoje vou falar sobre mais cinco curiosidades do mundo dos vinhos. Para manter uma sequência na leitura, no texto anterior falei sobre origens e produção e hoje vou falar de curiosidades sobre as videiras, envelhecimento do vinho, degustação e benefícios da bebida dos deuses à nossa saúde.

6- Tipos de uvas próprias para a produção do vinho
Existem cerca de 1000 espécies da Vitis Vinífera, videiras que produzem uvas próprias para a produção de vinhos, mas apenas cerca de 50 espécies são mais utilizadas e difundidas pelo mundo. Entre as castas mais conhecidas podemos citar:  Cabernet Sauvignon, Merlot, Syrah, Malbec, Chardonnay, Sauvignon Blanc, Riesling, entre outras.
  Muitas são castas autóctones e são produzidas apenas na sua região de origem. Portugal, apesar do seu pequeno tamanho, é um dos países com maior número de castas autóctones, sendo contabilizadas cerca de 300 castas. Além da grande diversidade, os portugueses são muito criativos …

Os aromas do vinho

Todo enófilo que se preze sabe que, para se desfrutar ao máximo das sensações que o vinho pode nos proporcionar, a taça deve ser girada para a maior liberação dos aromas presentes na bebida dos Deuses. O que muitos não sabem é que estes aromas podem nos ajudar muito a identificar não apenas o tipo de uva utilizada na produção daquele vinho, como também algumas técnicas utilizadas no processo de vinificação e até mesmo a idade do vinho.
   Durante a análise olfativa, podemos identificar três grupos de aromas, os primários, os secundários e os terciários. Os aromas primários são aqueles existentes no vinho que acabou de ser fermentado e podem ser próprios da uva ou originados do processo de fermentação. Em sua maioria, são aromas frutados, como as frutas cítricas, o pêssego e a maçã verde nos vinhos brancos e o morango, a ameixa e a framboesa em vinhos tintos. Em regiões muito quentes, onde a uva amadurece muito rápido, podemos sentir aromas de frutas cozidas ou secas. Algumas uvas tr…