Pular para o conteúdo principal

Sexto dia - Vinícola Barcarola e Chandon

  Nosso penúltimo dia de viagem iniciou com céu claro e muito calor. Acordamos cedo e fomos novamente até à Vinhos Larentis, onde fomos recebidos pelo enólogo André Larentis que, atenciosamente, nos apresentou todas as instalações e falou sobre os métodos de produção utilizados na vinícola. Como já havíamos feito as degustações no dia anterior, a visita foi relativamente rápida e caminhamos até a Barcarola, que fica a mais ou menos 600 metros de distância.
  A Barcarola é uma vinícola Boutique e apenas a loja da vinícola é aberta à visitação o que, mesmo assim, vale muito à pena devido à qualidade dos seus vinhos e ao fato de, por se tratar de uma vinícola familiar, você ter grande chance de ser atendido por um dos enólogos da família e ter a oportunidade de degustar com a orientação de um dos criadores.
  Fomos atendidos por César Petroli e, como era uma segunda de manhã, logo após um feriado prolongado, a loja estava vazia e tivemos a oportunidade de degustar tranquilamente e ouvir todas as explicações de César, que nos falou sobre a opção da vinícola em não usar madeira em nenhum dos seus rótulos com o objetivo de preservar o caráter varietal da fruta. Ele até nos brindou com dois rótulos especiais que, normalmente, não fazem parte da degustação e são considerados os ícones da vinícola e que, devido à pequena produção, não são comercializados fora dali. Daqui a pouco falarei sobre eles.
  Iniciamos a degustação com o Barcarola Specialità Lagrein 2015. A Lagrein é uma casta autóctone da região de Trentino Alto-Adige, no extremo norte da Itália e não muito comum aqui no Brasil. Produz vinhos frutados com aromas de framboesas e ameixas. Em boca se mostrou leve, com boa acidez e poucos taninos. Um vinho agradável e muito fácil de beber.
  O vinho seguinte também foi de uma casta pouco comum. A Rebo é uma uva italiana que se originou do cruzamento da Teroldego com a Merlot e recebeu o nome do agrônomo criador, Rebo Rigotti. O Barcarola Specialità Rebo 2014 apresenta aromas de frutas negras como ameixa, amora e jabuticaba, corpo e acidez médios, boa acidez e muita fruta no sabor. Não conhecia a casta e adorei a experiência!
  Uva autóctone do Uruguai, a Tannat tem se dado muito bem no terroir do Rio Grande do Sul e vários produtores da região estão produzindo varietais. O Barcarola Specialità Tannat 2012, segue a linha dos varietais nacionais, bem mais leve que os uruguaios. Com aromas de ameixas secas, especiarias e couro, possui corpo médio, boa acidez e taninos macios.
  O Luiz Petroli Merlot 2012 faz parte da primeira linha da vinícola e o nome é uma homenagem ao viticultor e pai dos dois enólogos atuais. A coloração rubi já evoluindo para granada nos sinaliza a evolução do vinho. A predominância de aromas terciários como couro, terra e especiarias confirma a impressão passada pela análise visual. Com corpo e acidez médios e taninos macios, é um vinho em seu pleno auge. Muito bom rótulo!
  Voltamos à linha Specialità com o Teroldego 2012 e seus aromas de amoras silvestres, mirtilos e notas de pimenta preta e algum herbáceo. Um vinho potente, estruturado, com taninos macios e muita fruta no sabor. Apesar de ser da mesma safra do Merlot anterior, é um vinho bem mais jovem. Para traçar uma comparação, César nos serviu um Luiz Petroli Teroldego 2008, com a mesma casta mas pertencente à primeira linha da vinícola e bem mais evoluído. Nos aromas, a fruta ainda permanece presente mas predominam os terciários como couro, tabaco e chocolate. Poderoso, encorpado, ainda com boa acidez e taninos bem presentes mas domados e sem arestas. Um grande vinho digno de grandes apreciadores!
  Quando achávamos que tínhamos atingido o auge e que já havíamos nos surpreendido bastante, César tirou dois coelhos da manga. O Luiz Petroli Tipo Amarone 2012 é elaborado com o mesmo processo do Amarone Della Valpolicella, as uvas sendo deixadas pra secar em esteiras por cerca de 20 dias. Com aromas intensos de frutas negras em compota, alcaçuz, chocolate e mel, apresenta grande estrutura e corpo, é muito tânico e com boa acidez.
  Eu não parava de me deliciar com a maravilhosa degustação daquela manhã e já me preocupava com os instintos consumistas que estavam crescendo dentro de mim, quando César resolveu adoçar o momento. O Luiz Petroli Tipo Recioto 2012 é um vinho licoroso, elaborado como o Recioto Della Valpolicella, com as uvas deixadas para secar em esteiras por cerca de 35 dias. Com aromas de frutas negras e vermelhas em compota, é doce, muito encorpado, com boa acidez e taninos e um final surpreendentemente longo. Estávamos fechando a degustação da manhã com chave de ouro!




  Na parte da tarde, iriamos novamente a Garibaldi visitar a Chandon. Quando eu estava fazendo o roteiro da viagem, não consegui conciliar a Chandon com as demais vinícolas de Garibaldi pois eles não funcionaram durante todo o período do feriado. A visitação é gratuita mas deve ser agendada com antecedência. Caso você não tenha agendamento, poderá participar da degustação mas não da visitação.
  A visitação é muito interessante, as instalações são grandes e modernas e a guia nos explica sobre todo o processo de produção. Mas a cereja do bolo é a degustação do espumante retirado direto do tanque de aço inox. Como ainda está em processo de maturação, não foi filtrado e nem recebeu licor de expedição, portanto é bem seco e com sabores frutados muito evidentes. De todos os espumantes degustados no dia, foi o meu favorito. Pena não ser comercializado. Após a visita, é claro, fomos à degustação onde nos foram servidos cinco rótulos na loja própria da vinícola, onde os preços são mais baixos que no mercado. Vale ressaltar que a Chandon não despacha os vinhos como a maioria das vinícolas. Você pode comprar o quanto quiser, mas tem que levar. Isso me salvou de mais um desfalque na minha conta bancária.







  A viagem está chegando ao fim e, para o gran finale, vou falar de como a indicação de um querido amigo me ajudou a fechar o passeio com chave de ouro. Até o próximo texto! Saúde à todos!


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Diamantina - Terra de vinhos, queijos e a famosa hospitalidade mineira.

Recentemente, passei por belas experiências de aprendizado em vinícolas, algumas distantes e outras bem pertinho daqui. Estas viagens vão render muito assunto pra matérias aqui no Vinho às Claras. Como sou uma entusiasta dos vinhos nacionais, resolvi começar falando da última viagem, realizada a pouco mais de uma semana para uma cidade bem próxima, a apenas 296 km de Belo Horizonte, Diamantina.
   A algum tempo atrás, publiquei um artigo falando sobre os vinhos de Minas e a técnica da dupla poda. Agora tive a oportunidade de visitar e ver pessoalmente o trabalho desenvolvido por vinícolas mineiras e posso afirmar que é apaixonante testemunhar o amor e o empenho envolvido na produção dos nossos vinhos.
   A viagem foi organizada pelas queridas Vanessa e Eveline, criadoras da confraria feminina Luluvinhas. No último dia 03, eu e mais 18 Lulus saímos de BH para conhecer a produção de vinhos e queijos da região. No dia seguinte, tínhamos programadas visitas à Vinícola Campo Alegre, per…

Outras cinco curiosidades sobre videiras, uvas e vinhos

Conforme prometido na publicação anterior, hoje vou falar sobre mais cinco curiosidades do mundo dos vinhos. Para manter uma sequência na leitura, no texto anterior falei sobre origens e produção e hoje vou falar de curiosidades sobre as videiras, envelhecimento do vinho, degustação e benefícios da bebida dos deuses à nossa saúde.

6- Tipos de uvas próprias para a produção do vinho
Existem cerca de 1000 espécies da Vitis Vinífera, videiras que produzem uvas próprias para a produção de vinhos, mas apenas cerca de 50 espécies são mais utilizadas e difundidas pelo mundo. Entre as castas mais conhecidas podemos citar:  Cabernet Sauvignon, Merlot, Syrah, Malbec, Chardonnay, Sauvignon Blanc, Riesling, entre outras.
  Muitas são castas autóctones e são produzidas apenas na sua região de origem. Portugal, apesar do seu pequeno tamanho, é um dos países com maior número de castas autóctones, sendo contabilizadas cerca de 300 castas. Além da grande diversidade, os portugueses são muito criativos …

Os aromas do vinho

Todo enófilo que se preze sabe que, para se desfrutar ao máximo das sensações que o vinho pode nos proporcionar, a taça deve ser girada para a maior liberação dos aromas presentes na bebida dos Deuses. O que muitos não sabem é que estes aromas podem nos ajudar muito a identificar não apenas o tipo de uva utilizada na produção daquele vinho, como também algumas técnicas utilizadas no processo de vinificação e até mesmo a idade do vinho.
   Durante a análise olfativa, podemos identificar três grupos de aromas, os primários, os secundários e os terciários. Os aromas primários são aqueles existentes no vinho que acabou de ser fermentado e podem ser próprios da uva ou originados do processo de fermentação. Em sua maioria, são aromas frutados, como as frutas cítricas, o pêssego e a maçã verde nos vinhos brancos e o morango, a ameixa e a framboesa em vinhos tintos. Em regiões muito quentes, onde a uva amadurece muito rápido, podemos sentir aromas de frutas cozidas ou secas. Algumas uvas tr…