Pular para o conteúdo principal

Quinto dia - Casa Valduga e Piquenique nos Vinhedos da Vinhos Larentis

  Continuando a nossa viagem pelas vinícolas do Rio Grande do Sul, o domingo amanheceu com céu limpo para o meu grande alívio. A nossa programação da tarde dependia disso!
  No período da manhã, estava agendada uma visitação na Casa Valduga. Chegamos um pouco mais cedo e já pudemos desfrutar um pouco do visual externo com vários prédios bem cuidados, estacionamento amplo e muito verde em volta.






  Ao pagar a visita, você ganha uma taça de cristal que, durante todo o percurso, será reabastecida com os vinhos selecionados para a degustação. Ao final, ela será embalada para que você possa levar pra casa. A guia que nos recebeu, conduziu o nosso grupo durante uma hora e meia por todas as fases de produção e armazenamento, com paradas estratégicas para explicar sobre os vinhos que seriam degustados e reabastecer as nossas taças. A vinícola é muito grande e conta com equipamentos muito modernos. As caves são fantásticas, dando a sensação de estar dentro de um castelo medieval com vários salões e corredores e a sua baixa temperatura. Durante a nossa passagem pelos corredores que davam acesso às salas contendo centenas de pulpitres com espumantes em várias fases de maturação, ouvimos o estouro de garrafas algumas vezes, como se estivessem celebrando a nossa visita. Essas perdas são inevitáveis devido à pressão enorme exercida pelo gás carbônico formado durante à segunda fermentação em garrafa. Para finalizar, antes de sermos conduzidos para a loja, tivemos acesso a um dos vinhedos. Eu sempre sou tomada por uma certa emoção quando me encontro ao lado dessas plantas maravilhosas que são a origem de tudo no mundo dos vinhos.







  A visita termina na loja, onde se encontra todos os produtos da vinícola, incluindo alguns vinhos de safras antigas, não rotulados, que permaneceram nas caves como reserva própria. Se tiver interesse, pode-se fazer novas degustações, de rótulos que não foram incluídos na visitação, pagando-se um valor à parte. Como pretendíamos almoçar no restaurante da vinícola, o Maria Valduga, e pra ele não tínhamos reserva, comprei o que me interessava e pedimos pra embalar nossas taças, sem novas degustações, para chegarmos cedo. Ainda haveriam muitos vinhos durante o dia.
  O restaurante Maria Valduga é amplo, de um estilo mais rústico e com música instrumental ao vivo. Eles funcionam com um rodízio de massas, onde são servidos nove tipos diferentes. Eu tinha intensão de provar todas as massas deliciosas que estavam sendo servidas mas não foi possível. Depois de um certo tempo, com muito pesar, eu fui obrigada a recusar os pratos que me eram oferecidos. Os vinhos no restaurante custam o mesmo preço da loja e, para acompanhar as massas, escolhi um Casa Valduga Identidade Arinarnoa 2014, varietal dessa casta que é um cruzamento da Merlot com a Petit Verdot. Aromas de frutas negras e madeira tostada, com bom corpo e acidez, taninos macios e bom final de boca. Confesso que fiquei tentada em voltar à loja e trazer algumas garrafas pra casa.
  Após o almoço, fomos a pé para a vinhos Larentis, que fica a menos de duzentos metros da Casa Valduga. O céu estava claro e eu agradeci a São Pedro por ter atendido ao meu pedido. Tínhamos agendado um piquenique nos vinhedos da Larentis e, evidentemente, não seria possível debaixo de chuva. Ao chegar, já fomos conduzidos para uma degustação dos vinhos e espumantes produzidos por eles e, ao final, pudemos escolher o que iria para nossa cesta de piquenique. Escolhemos um espumante pois o dia estava lindo, iríamos passar uma tarde preguiçosa nos vinhedos e tínhamos todos os motivos para comemorar. O eleito foi o Larentis Vinho Branco Espumante Brut, com perlage cremosa e persistente, aromas cítricos com notas de panificação e abacaxi, boa acidez e sabores de avelãs e limão siciliano. Recebemos uma cesta com o nosso espumante, duas taças de acrílico, uma tábua de frios bem generosa, pães, geleias, uma toalha xadreza, além de almofadas, chapéus de palha e um balde de gelo e entramos no vinhedo para escolher um lugar.
  Ao longo das fileiras de videiras, em vários pontos, foram abertos toldos para nos proteger do sol. Escolhemos um bem no meio do vinhedo, estendemos a toalha e passamos uma tarde tranquila, descansando da programação intensa da viagem e brindando à vida. São esses momentos que valem mais que tudo e que, tenho certeza, a gente não esquece nunca.







  Saímos de lá no final da tarde descansados e renovados e prometemos voltar no dia seguinte, pela manhã, pois eu iria me encontrar com o enólogo André Larentis que, gentilmente, aceitou me receber pra mostrar a vinícola e falar um pouco do seu processo de produção. Na próxima publicação, vou falar da sensação de se tomar um espumante saído direto do tanque, ainda em processo de maturação. A viagem está chegando ao fim e eu já comecei a sentir saudades.
  Até o próximo texto e feliz 2018 com grandes brindes a todos! Tim tim!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Diamantina - Terra de vinhos, queijos e a famosa hospitalidade mineira.

Recentemente, passei por belas experiências de aprendizado em vinícolas, algumas distantes e outras bem pertinho daqui. Estas viagens vão render muito assunto pra matérias aqui no Vinho às Claras. Como sou uma entusiasta dos vinhos nacionais, resolvi começar falando da última viagem, realizada a pouco mais de uma semana para uma cidade bem próxima, a apenas 296 km de Belo Horizonte, Diamantina.
   A algum tempo atrás, publiquei um artigo falando sobre os vinhos de Minas e a técnica da dupla poda. Agora tive a oportunidade de visitar e ver pessoalmente o trabalho desenvolvido por vinícolas mineiras e posso afirmar que é apaixonante testemunhar o amor e o empenho envolvido na produção dos nossos vinhos.
   A viagem foi organizada pelas queridas Vanessa e Eveline, criadoras da confraria feminina Luluvinhas. No último dia 03, eu e mais 18 Lulus saímos de BH para conhecer a produção de vinhos e queijos da região. No dia seguinte, tínhamos programadas visitas à Vinícola Campo Alegre, per…

Outras cinco curiosidades sobre videiras, uvas e vinhos

Conforme prometido na publicação anterior, hoje vou falar sobre mais cinco curiosidades do mundo dos vinhos. Para manter uma sequência na leitura, no texto anterior falei sobre origens e produção e hoje vou falar de curiosidades sobre as videiras, envelhecimento do vinho, degustação e benefícios da bebida dos deuses à nossa saúde.

6- Tipos de uvas próprias para a produção do vinho
Existem cerca de 1000 espécies da Vitis Vinífera, videiras que produzem uvas próprias para a produção de vinhos, mas apenas cerca de 50 espécies são mais utilizadas e difundidas pelo mundo. Entre as castas mais conhecidas podemos citar:  Cabernet Sauvignon, Merlot, Syrah, Malbec, Chardonnay, Sauvignon Blanc, Riesling, entre outras.
  Muitas são castas autóctones e são produzidas apenas na sua região de origem. Portugal, apesar do seu pequeno tamanho, é um dos países com maior número de castas autóctones, sendo contabilizadas cerca de 300 castas. Além da grande diversidade, os portugueses são muito criativos …

Os aromas do vinho

Todo enófilo que se preze sabe que, para se desfrutar ao máximo das sensações que o vinho pode nos proporcionar, a taça deve ser girada para a maior liberação dos aromas presentes na bebida dos Deuses. O que muitos não sabem é que estes aromas podem nos ajudar muito a identificar não apenas o tipo de uva utilizada na produção daquele vinho, como também algumas técnicas utilizadas no processo de vinificação e até mesmo a idade do vinho.
   Durante a análise olfativa, podemos identificar três grupos de aromas, os primários, os secundários e os terciários. Os aromas primários são aqueles existentes no vinho que acabou de ser fermentado e podem ser próprios da uva ou originados do processo de fermentação. Em sua maioria, são aromas frutados, como as frutas cítricas, o pêssego e a maçã verde nos vinhos brancos e o morango, a ameixa e a framboesa em vinhos tintos. Em regiões muito quentes, onde a uva amadurece muito rápido, podemos sentir aromas de frutas cozidas ou secas. Algumas uvas tr…