Pular para o conteúdo principal

Principais Regiões Vinícolas do Velho Mundo - Itália

  Assim como a França, a Itália também é dividida em IGs, cada uma com a sua legislação específica. Praticamente em toda a Itália existem regiões vinícolas. Neste texto, vou me concentrar nas mais importantes.

  Alto Adige
  Região vinícola mais ao norte da Itália, no sopé dos Alpes. Os vinhedos estão localizados no Vale do rio Adige. A altitude e o clima moderado beneficiam a produção de vinhos brancos aromáticos e tintos leves. As principais castas brancas são a Pinot Grigio (Pinot Gris na França), a Gewurztraminer, a Chardonnay e a Pinot Blanc. A casta tinta dominante a italiana Schiava.

  Em sua maioria, os vinhos da região serão rotulados como Alto Adige DOC (Denominação de Origem Controlada) e, ao contrário de várias regiões do Velho Mundo, aparecerá o nome da casta no rótulo.
  É a região italiana que produz os varietais de Pinot Grigio e Gewurztraminer de maior qualidade. Esse rótulo ao lado, me surpreendeu positivamente, com a sua tipicidade da casta, trazendo aromas de lichia, damasco, mel e notas florais e seu corpo untuoso.

  Piemonte
  Região situada no noroeste da Itália, o Piemonte é dividido em várias sub-regiões com características bem distintas.

  Em Barolo e Barbaresco são produzidos os famosos vinhos homônimos com a casta Nebbiolo. Conhecidos respectivamente como o rei e a rainha dos tintos, são vinhos de pouca cor, mas muito corpo e altos níveis de taninos e acidez. Muito gastronômicos, possuem um grande potencial de envelhecimento e necessitam de vários anos em garrafa para que seus taninos poderosos sejam domados.

  Tanto em Asti como em Alba, o nome da uva aparecerá no rótulo. A Barbera é a principal casta tinta e os vinhos serão rotulados como Barbera D'Asti DOCG e Barbera D'Alba DOC respectivamente. São vinhos de cor profunda, níveis médios a baixos de taninos e alta acidez, podendo ou não ter passagem por madeira. Em sua maioria, são elaborados para serem consumidos jovens. A Dolcetto é outra importante casta tinta e, apesar do nome, origina vinhos secos, de coloração púrpura, com bastante taninos e acidez média. Também existem plantações da Nebbiolo mas, nestas regiões, irá originar vinhos com um pouco menos de corpo.

  Asti também é famosa pelos seus vinhos e espumantes naturalmente doces elaborados com a casta branca Moscato. A doçura é conseguida através da interrupção da fermentação, sendo, portanto, vinhos de baixo teor alcoólico, entre 6 e 7%. São vinhos muito leves, doces e muito aromáticos e devem ser tomados o mais jovem possível para se preservar o frescor e o aroma.
  Em Gavi, são produzidos vinhos brancos a partir da Cortese, uma casta que produz vinhos leves, de alta acidez e aromas florais. Em sua maioria, também devem ser consumidos jovens.

  Vêneto
  Região de grande produção de vinhos econômicos, para serem tomados jovens, onde são permitidas várias castas como a Pinot Grigio, a Chardonnay, a Merlot, a Corvina, a Garganega e a Trebbiano. Normalmente, esses vinhos serão rotulados como Veneto IGT e constará o nome da uva. Porém, também possui sub-regiões que produzem vinhos muito conhecidos.
  Na região de Valpolicella são produzidos os vinhos homônimos com a casta Corvina. Em sua maioria, são vinhos simples e frutados, com poucos taninos, acidez alta e sabores de cereja, elaborados para consumo imediato.

  O Amarone della Valpolicella DOCG é elaborado através do método do passito, onde as uvas são colhidas mais cedo, para se preservar a alta acidez e são deixadas a secar em um local fechado, com o objetivo de concentrar o açúcar e o sabor. São vinhos secos, com muito corpo e álcool, taninos poderosos e sabores concentrados de frutas e especiarias. Normalmente passam por madeira e tem bom potencial de envelhecimento.
  O Recioto della Valpolicella DOCG é a versão de sobremesa do método do passito. As uvas utilizadas são tão doces que a fermentação para de forma natural.

  Na região de Soave são produzidos vinhos brancos com ótima acidez, corpo médio e sabores de pêssego, macã, pêra e pimenta branca, com a casta Garganega. Os mais simples são elaborados para serem consumidos jovens mas, alguns rótulos mais elaborados, podem envelhecer durante anos e adquirir sabores de frutos secos e mel.

  Toscana
  Também dividida em várias sub-regiões, algumas com nomes famosos. A Sangiovese domina nos solos da Toscana. Em Chianti, os vinhos normalmente são cortes de Sangiovese com pequenas parcelas de outras uvas. Normalmente, possuem níveis altos de acidez e taninos, aromas de cereja, ameixa e ervas secas e passam por madeira. O Chianti Classico DOCG é elaborado em uma IG separada e possui mais regras na legislação do que em Chianti DOCG e, geralmente, são vinhos de uma qualidade superior.
  Ao sul da Toscana temos Brunello di Montalcino DOCG e Vino Nobile de Montepulciano DOCG. Em Brunello di Montalcino, os vinhos têm que ser elaborados com 100% de Sangiovese e são robustos, potentes, gastronômicos e com grande potencial de envelhecimento. Em Montepulciano, assim como em Chianti, os vinhos são elaborados através de um corte de Sangiovese com outras castas permitidas.

  As rígidas regras da Toscana, estimularam a criação dos vinhos "fora da lei". No final dos anos sessenta, algum vitivinicultores começaram a produzir vinhos utilizando as castas francesas de Bordeaux. Esses vinhos não eram reconhecidos pelo sistema de classificação de vinhos italianos e tinham que ser rotulados como Vino da Tavola, que é o patamar mais baixo de vinhos na Itália. Acontece, que a excelente qualidade desses vinhos "fora da lei", causou grande aceitação no mercado exterior, onde eram vendidos a altos preços. Assim surgiram os Supertoscanos e a necessidade de se adequar a legislação. Portanto, esses vinhos, que não podiam ser classificados em nenhuma das regiões tradicionais da Toscana, começaram a ser classificados como Toscana IGT. Recentemente, surgiram novas denominações como Bolgheri DOC e Maremma Toscana DOC. Em sua maioria, são cortes com Sangiovese e castas bordalesas, podendo, em alguns casos, ser varietais de uma casta francesa.

 Puglia
No extremo sudeste da Itália, no salto da bota, encontramos a região de Puglia. O clima quente da região determina o domínio das castas tintas, sendo as principais a Negroamaro e a Primitivo (Zinfandel nos Estados Unidos). Em sua maioria, são cultivadas para produzir altos rendimentos e elaborar vinhos frutados, simples e fáceis de beber, de consumo imediato. Em alguns casos, são produzidos vinhos de qualidade mais elevada, muito corpo, níveis altos de álcool e taninos, ótima acidez e potencial de envelhecimento.

  A Itália possui muitas outras regiões e estilos de vinhos. Espero, em outras oportunidades, poder falar sobre eles. No próximo texto, falaremos um pouco sobre as principais regiões vinícolas da Espanha. Agora vou aproveitar o feriado com algumas taças da bebida de Baco. Cheers!


  
  

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Diamantina - Terra de vinhos, queijos e a famosa hospitalidade mineira.

Recentemente, passei por belas experiências de aprendizado em vinícolas, algumas distantes e outras bem pertinho daqui. Estas viagens vão render muito assunto pra matérias aqui no Vinho às Claras. Como sou uma entusiasta dos vinhos nacionais, resolvi começar falando da última viagem, realizada a pouco mais de uma semana para uma cidade bem próxima, a apenas 296 km de Belo Horizonte, Diamantina.
   A algum tempo atrás, publiquei um artigo falando sobre os vinhos de Minas e a técnica da dupla poda. Agora tive a oportunidade de visitar e ver pessoalmente o trabalho desenvolvido por vinícolas mineiras e posso afirmar que é apaixonante testemunhar o amor e o empenho envolvido na produção dos nossos vinhos.
   A viagem foi organizada pelas queridas Vanessa e Eveline, criadoras da confraria feminina Luluvinhas. No último dia 03, eu e mais 18 Lulus saímos de BH para conhecer a produção de vinhos e queijos da região. No dia seguinte, tínhamos programadas visitas à Vinícola Campo Alegre, per…

Outras cinco curiosidades sobre videiras, uvas e vinhos

Conforme prometido na publicação anterior, hoje vou falar sobre mais cinco curiosidades do mundo dos vinhos. Para manter uma sequência na leitura, no texto anterior falei sobre origens e produção e hoje vou falar de curiosidades sobre as videiras, envelhecimento do vinho, degustação e benefícios da bebida dos deuses à nossa saúde.

6- Tipos de uvas próprias para a produção do vinho
Existem cerca de 1000 espécies da Vitis Vinífera, videiras que produzem uvas próprias para a produção de vinhos, mas apenas cerca de 50 espécies são mais utilizadas e difundidas pelo mundo. Entre as castas mais conhecidas podemos citar:  Cabernet Sauvignon, Merlot, Syrah, Malbec, Chardonnay, Sauvignon Blanc, Riesling, entre outras.
  Muitas são castas autóctones e são produzidas apenas na sua região de origem. Portugal, apesar do seu pequeno tamanho, é um dos países com maior número de castas autóctones, sendo contabilizadas cerca de 300 castas. Além da grande diversidade, os portugueses são muito criativos …

Uma visita a Tokaj

Durante o mês de junho, estive visitando algumas regiões vinícolas do velho mundo e tive o prazer de passar três doces dias em Tokaj, região onde são elaborados alguns dos melhores vinhos de sobremesa do mundo. Situada no nordeste da Hungria, com um pequeno trecho cobrindo o território eslovaco, a região de Tokaj-Hegyalja é protegida desde 1737, quando foi declarada uma área exclusiva de vinhos através de um decreto real, e em 2002 tornou-se Patrimônio Mundial da UNESCO.
   Em uma área de 275 quilômetros quadrados, as videiras dividem espaço com belíssimas plantações de girassóis e pequenos vilarejos pitorescos repletos de lojinhas de vinhos e badulaques e de restaurantes com ótimas comidas a bom preço. Andar pelas ruas das vilas de Tokaj é como voltar no tempo, longe da correria e do movimento das grandes cidades, a vida parecendo andar mais devagar. E não tente fazer alguma compra ou mesmo uma refeição entre as 14 e 16 horas, pois eles seguem o costume da sesta, tão difundido em v…