Pular para o conteúdo principal

Degustação de vinhos chilenos na ABS-MG


  No último dia 11, participei de um evento na Associação Brasileira de Sommeliers chamado Chilean Premium Wine - Tasting Tour. Trata-se de um projeto da empresa Winechef, pertencente a Alex Ordenes, único Sommelier Conseil da América Latina, titulado na França pela Université du Vin, e sua esposa e chef Edneia Benfica. A degustação foi conduzida pelo próprio Alex e foram apresentados vinhos de alta gama de vinícolas chilenas premiadas. O evento contou com a presença de Renato Costa, presidente da ABS Minas, sommeliers, estudantes e enófilos. Foi uma noite agradável e instrutiva, em que tivemos a oportunidade de conhecer e apreciar rótulos de vinícolas renomadas.
  Foram apresentados oito rótulos, sendo um branco, um rosé e seis tintos. A Master Class guiada por Alex, que nos falou um pouco sobre cada vinho, o produtor e as suas premiações, foi muito bem conduzida e todos os que estiveram presentes tiveram a oportunidade de desfrutar e aprender um pouco mais sobre os vinhos chilenos de primeira linha.
  O primeiro vinho degustado foi o Ventolera Sauvignon Blanc 2016 produzido com uvas do Valle de San Antonio, região muito próxima ao oceano Pacífico e com o clima fresco muito propício ao cultivo da casta. Um vinho de coloração amarelo palha pálido, com aromas de maracujá, maçã verde, frutas cítricas e um herbáceo bem característico dos vinhos de Sauvignon Blanc, com notas de arruda e uma certa mineralidade. Esse rótulo exibiu ótima tipicidade e equilíbrio, um corpo leve e ótima acidez refrescante. Daqueles vinhos que se abre a garrafa e não percebe ela chegar ao fim.
  Seguimos com o rosé de Cabernet Franc Loma Larga 2017, produzido na região costeira do Valle de Casablanca, onde as videiras se beneficiam do clima fresco para preservar uma boa acidez. Com coloração rosa casca de cebola, é um vinho muito aromático com bastante floral, morango, framboesa e cereja. Um rosé de corpo leve, ótima acidez e sabores frutados. Um vinho agradável mas que ao meu paladar não se sobressaiu à maioria dos rosés encontrados no mercado.
  Passamos para os tintos. Todos eles já estavam em aeração no decanter no momento em que chegamos para a degustação. Portanto, já chegaram na taça prontos para serem apreciados. Iniciamos com o blend Ventolera Pinot Noir - Syrah 2015, produzido com 65% de Pinot Noir, 32% de Syrah e 3% de Chardonnay e maturado por quinze meses em barricas de carvalho. Suas uvas foram produzidas no Valle de Leyda, a apenas 12 km do oceano pacífico, uma região de clima fresco muito propício à Pinot Noir. Na taça exibiu uma coloração rubi pálido, aromas de frutas vermelhas, o tostado da madeira evidente e notas terrosas e de cogumelos. No paladar mostrou-se jovem, com acidez quase alta e taninos discretos. Acredito que vai se beneficiar de mais algum tempo em garrafa .
  O segundo tinto foi elaborado através de um corte de seis uvas. Chocalan Vitrum Blend 2013 é um corte contendo 40% de Cabernet Sauvignon, 38% de Syrah, 8% de Cabernet Franc, 8% de Malbec, 4% de Carmenérè e 2% de Petit Verdot. Produzido em Melipilla, no Valle del Maipo, e estagiado por quatorze meses em barricas de carvalho francês, possui uma coloração rubi quase profunda. Nos aromas, exibe notas de frutas negras, menta, especiarias como baunilha e cravo, tostado, couro e um certo mineral lembrando grafite. No paladar apresenta bom corpo, taninos macios e acidez média. Seus sabores frutados associados ao tostado e às especiarias da madeira bem integrados mostram que, apesar de já mostrar notas de evolução, ainda exibe bastante jovialidade. Uma curiosidade a respeito do nome da vinícola é que Chocalan significa flores amarelas. Esse nome foi dado ao local pelos povos aborígenes que habitavam a região devida às flores silvestres amarelas que a recobriam durante a primavera.
  Passamos para o primeiro tinto varietal da noite. O Loma Larga Cabernet Franc 2015 foi elaborado no Valle de Casablanca  e estagiou por vinte meses em barricas de carvalho francês novas. Possui coloração rubi com reflexos violáceos, o que mostra ainda potencial de evolução. Nos aromas, as notas herbáceas sobressaíram às frutas vermelhas, trazendo pimentão verde, eucalipto e notas de cereja e groselha, além do tostado da madeira já bem integrado. No paladar apresenta ótimo corpo, com taninos poderosos mas polidos e acidez quase alta. As frutas vermelhas e o tostado aparecem mas, mais uma vez, com predominância das notas verdes. Sem dúvida um belo vinho mas não seria a minha escolha da noite pois essas notas herbáceas bem características de alguns vinhos chilenos, originárias da falta da completa maturação das uvas, não me agradam.
  Voltamos para os blends para começar a série de vinhos realmente poderosos. O Laura Hartwig Edição de Família 2014 foi elaborado com 34% de Petit Verdot, 34% de Malbec, 30% de Cabernet Sauvignon e 2% de Cabernet Franc. Com uma pequena produção no Valle de Colchagua, estagiou por vinte meses em barricas de carvalho francês e foi engarrafado sem filtragem. Apresenta coloração rubi intenso e aromas de frutas negras, especiarias como pimenta preta e cravo, tostado da madeira muito bem integrado e notas herbáceas e de couro. No paladar apresenta ótimo corpo, taninos potentes e sem arestas e ótima acidez que, associada aos seus sabores frutados ainda vivos, mostra que o vinho ainda resiste a um bom tempo de guarda. Com ótima complexidade e equilíbrio, esse belo rótulo me conquistou.
  Nosso penúltimo vinho e último blend da noite foi o Montelig 2010, elaborado com 40% de Cabernet Sauvignon, 30% de Petit Verdot e 30% de Carmenérè.  Produzido no Valle del Aconcagua, com uma produção limitada a 9900 garrafas, todas numeradas, estagiou por 25 meses em barricas e foi engarrafado sem filtragem. Com coloração rubi ainda bastante intenso, apesar dos seus oito anos, possui aromas de couro, cedro, tostado e frutas negras. No paladar é volumoso, com taninos firmes, acidez ainda muito bem preservada e um final de boca longo. Um vinho já com certa evolução mas que ainda exibe muita jovialidade. Realmente, um belíssimo rótulo chileno!
  Para encerrar com chave de ouro, o que foi, na minha humilde opinião, o campeão da noite! Trata-se de um varietal de Cabernet Sauvignon. O Gandolini Wines Las 3 marias 2013 foi produzido no Alto Maipo, envelhecido por 22 meses em barricas de carvalho francês e engarrafado sem filtragem. Exibiu uma bela coloração rubi profundo e apesar de estar em contato com o oxigênio por algumas horas no decanter, demorou um pouco para se abrir na taça, exibindo uma cereja preta fresca, ameixa, couro e notas tostados. Nenhum dos aromas herbáceos que seriam esperados nos vinhos de Cabernet Sauvignon. Um vinho que esbanja elegância! Muito equilibrado, com madeira muito integrada, encorpado, volumoso, com taninos poderosos e finos e alta acidez. E o mais especial é que, apesar de toda essa estrutura, é muito macio! Eu não me importaria em voltar a degustar esse néctar muitas outras vezes.
  Depois de descrever e recordar as experiências com esses belos chilenos, acho que será necessário abrir uma garrafa. Até uma próxima publicação e ótimos vinhos a todos! Saúde!







Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Diamantina - Terra de vinhos, queijos e a famosa hospitalidade mineira.

Recentemente, passei por belas experiências de aprendizado em vinícolas, algumas distantes e outras bem pertinho daqui. Estas viagens vão render muito assunto pra matérias aqui no Vinho às Claras. Como sou uma entusiasta dos vinhos nacionais, resolvi começar falando da última viagem, realizada a pouco mais de uma semana para uma cidade bem próxima, a apenas 296 km de Belo Horizonte, Diamantina.
   A algum tempo atrás, publiquei um artigo falando sobre os vinhos de Minas e a técnica da dupla poda. Agora tive a oportunidade de visitar e ver pessoalmente o trabalho desenvolvido por vinícolas mineiras e posso afirmar que é apaixonante testemunhar o amor e o empenho envolvido na produção dos nossos vinhos.
   A viagem foi organizada pelas queridas Vanessa e Eveline, criadoras da confraria feminina Luluvinhas. No último dia 03, eu e mais 18 Lulus saímos de BH para conhecer a produção de vinhos e queijos da região. No dia seguinte, tínhamos programadas visitas à Vinícola Campo Alegre, per…

Outras cinco curiosidades sobre videiras, uvas e vinhos

Conforme prometido na publicação anterior, hoje vou falar sobre mais cinco curiosidades do mundo dos vinhos. Para manter uma sequência na leitura, no texto anterior falei sobre origens e produção e hoje vou falar de curiosidades sobre as videiras, envelhecimento do vinho, degustação e benefícios da bebida dos deuses à nossa saúde.

6- Tipos de uvas próprias para a produção do vinho
Existem cerca de 1000 espécies da Vitis Vinífera, videiras que produzem uvas próprias para a produção de vinhos, mas apenas cerca de 50 espécies são mais utilizadas e difundidas pelo mundo. Entre as castas mais conhecidas podemos citar:  Cabernet Sauvignon, Merlot, Syrah, Malbec, Chardonnay, Sauvignon Blanc, Riesling, entre outras.
  Muitas são castas autóctones e são produzidas apenas na sua região de origem. Portugal, apesar do seu pequeno tamanho, é um dos países com maior número de castas autóctones, sendo contabilizadas cerca de 300 castas. Além da grande diversidade, os portugueses são muito criativos …

Uma visita a Tokaj

Durante o mês de junho, estive visitando algumas regiões vinícolas do velho mundo e tive o prazer de passar três doces dias em Tokaj, região onde são elaborados alguns dos melhores vinhos de sobremesa do mundo. Situada no nordeste da Hungria, com um pequeno trecho cobrindo o território eslovaco, a região de Tokaj-Hegyalja é protegida desde 1737, quando foi declarada uma área exclusiva de vinhos através de um decreto real, e em 2002 tornou-se Patrimônio Mundial da UNESCO.
   Em uma área de 275 quilômetros quadrados, as videiras dividem espaço com belíssimas plantações de girassóis e pequenos vilarejos pitorescos repletos de lojinhas de vinhos e badulaques e de restaurantes com ótimas comidas a bom preço. Andar pelas ruas das vilas de Tokaj é como voltar no tempo, longe da correria e do movimento das grandes cidades, a vida parecendo andar mais devagar. E não tente fazer alguma compra ou mesmo uma refeição entre as 14 e 16 horas, pois eles seguem o costume da sesta, tão difundido em v…